21 de novembro de 2009

Eu amo


Sim. Eu amo. Eu sei que por mais que eu não consiga conjugar na forma direta esse amor tem direção certa. Nenhuma vírgula cabe entre ele por que não resta sombra de dúvidas. Eu amo. Eu amo com todas as reticências possíveis, com toda força da exclamação, sem ponto final nem de interrogação. Eu amo sem beijo, eu amo sem sexo, eu amo inconstante, eu amo sem nexo. Eu simplesmente amo. (Em construção).

1 comentários:

Thales Estefani disse...

Nossa! Você tem se superado, sabia?
O amor é uma coisa tão forte, é matéria prima de coisas tão lindas.
Seu texto fala do amor essencial, do amor de verdade, que por mais que digam que é algo inventado durante a Idade Média, não se pode contestar sua existência. Ele é real, ele existe. E se existe, é como se não houvesse um "antes". Entende?
Uma vez uma pessoa me disse que o amor é algo da razão dos fatos, ele simplesmente existe. À partir do momento em que sabemos o porquê do nosso amor, já não amamos mais.
Bju moça!

Postar um comentário

Metendo o bedelho onde foi chamado.