23 de novembro de 2009

Por amar...


E por amar às vezes sou egoísta. Por amar me recuso a dividir. Por amar sei que sou chata, intransigente, tudo por que amo demais e não consigo enxergar que amar nada tem a ver com amarrar. Mas eu amo. Eu amo e amarro. Se eu soltar, posso perder. Se eu perder, posso morrer. E se eu morrer? Quem vai se importar? Por amar demais eu choro de alegria e rio de tristeza. É por amar que vivo fazendo e falando besteiras. Posso até amar errado, mas por amar vou persistir errando, amando, clamando perdão enquanto observo inerte esse amor frenético aumentar. (Nos alicerces)

4 comentários:

Rhebeca de Moraes disse...

disse td no fim: amor frenético, o q nos faz ser egoistas assim é realmente o medo, insegurança.
todos somos assim.
belo texto.
abraços

Thales Estefani disse...

Olá Priscila!
Nossa, quanto tempo! É, eu sei, pode me recriminar. Ai como eu queria dar mais atenção à atividade blogueira!!! Mas a facul é um grande entrave nessa hora. Entrave esse que vai determinar meu futuro né, minha colega de profissão?
Enfim, estamos sempre entre a cruz e a espada!
Simplesmente adorei seu post! É de uma delicadeza e ao mesmo tempo uma força! Você deve ter uma personalidade e tanto.
Acho que já posso dizer que imagino.
Lindo texto, sério, parabéns!
Bju

Zero disse...

bem, por vezes vc comentou no meu blog que eu sempre descubro o que vc tá sentindo...
acho que sentimos o mesmo, estou diante da verbalização dos meus sentimentos nos ultimos dias!
parabéns, moça!

fantástico!

beijão!
*;

Zero disse...

ps. copiei uma frase dessa pra um site meu, mas linkei seu blog como autoria oks?!

bjão!
*;

Postar um comentário

Metendo o bedelho onde foi chamado.